domingo, 31 de dezembro de 2017

"Emoções" de Maria Luz



[...]

Para quem ama a subjectividade das palavras e as imagens por elas criadas, depara-se com uma questão fulcral que será como que um salvo-conduto e que guiará os passos do caminhante ao longo de linhas e linhas prenhes de descobertas: "que tipo de obra é esta que eu tenho o prazer de ter entre mãos?", "Como poderei eu classificar este livro?", "Se eu tiver que transmitir a uma criança do que tratam e do que falam estes vocábulos, o que direi eu?".

Pois é! Poderia eu, então, dizer que estamos perante um livro de poesia, salpicado de pensamentos conscientemente soltos e prosa poética, sem regras, sem métrica, sem obrigatoriedade rimática (a exemplo da sua progenitora!), falando sonhos, contando esperanças, alimentando ilusões, respirando liberdade, mas apresentando também uma guerreira da vida que vai vestindo uma personalidade fortemente vincada, mostrando fome de viver e deixando sempre em aberto a ideia de que não há fim para a estrada que a autora, Maria Luz, tem desbravado!

[...]
do prefácio de Vitor Costeira